Educação escolar: qual o momento certo para matricular seu filho

A criança está pronta ou é nova demais? Não seria melhor continuar no conforto de casa? Vale a pena pagar escola se a criança só vai brincar?

São pergunta comuns que povoam a mente de muitos pais, principalmente quando se trata do primeiro filho. Como saber o momento certo de matricular o filho na escola? Afinal há tantas coisas a serem consideradas, não é mesmo?

O que manda a lei

A idade mínima para o ingresso na escola mudou em 2009. A fase obrigatória escolar mínima era composta por crianças a partir dos 6 até os 14 anos. 

Depois da emenda constitucional a partir de 2009 esse requisito foi alterado. Agora é compulsório o ingresso e permanência na escola dos 4 aos 17 anos. A medida inclui a pré-escola, o ensino fundamental e médio no sistema educacional básico.

Ganhos para a criança

Os pais são os primeiros professores da vida da criança. É no conforto e na segurança do lar que elas aprendem a comer sozinhas, a se comunicar e a andar. Isso traz o questionamento se vale a pena matricular crianças tão novas. 

Crianças estão em constante aprendizado. O que torna a escola o lugar ideal para aprimorar habilidades, estimular a autonomia e ampliar o convívio com outras crianças da mesma idade. Isso tudo somado às atividades pedagógicas que, adequadas à idade deles, contribuem para o crescimento e aprendizado de conteúdos de sala de aula.

A fase de adaptação na escola costuma causar inquietação nos pais. Por ser um período que exige quebra de rotina, é normal que a criança chore e estranhe o novo ambiente. Pode variar de criança para criança, mas não dura muito tempo. E não é via de regra. Muitas crianças surpreendem os pais por gostarem da escola imediatamente. 

Você pode se interessar: Maternidade: como conciliar a vida de mãe com a vida profissional?

Ganhos para os pais

O atual contexto do mercado modifica a relação da família com a carreira profissional dos pais. Muitas mães, que precisam voltar para o trabalho, podem se sentir inseguras com a possibilidade de deixar o filho sob a tutela de outra pessoa. Principalmente se ele tem idade inferior à exigida por lei.

A saída é encontrar uma escola que ofereça o suporte que a família precisa. Se torna imprescindível uma estrutura física segura e confortável. Com proposta pedagógica adequada às capacidades da criança ao mesmo tempo que a prepara para o futuro. Tudo isso somado cria um sentimento de confiança na parceria família-escola, trazendo benefícios para todos os envolvidos.  

A hora da decisão

Para decidir a ida da criança à escola é preciso levar em conta diversos fatores. A rotina de alimentação e sono, a capacidade de adaptação, juntamente com o horário e as finanças dos pais são motivos decisivos na hora de bater o martelo. 

Elementos como segurança e infraestrutura são indispensáveis. Elas garantem a integridade física e psicológica das crianças. Se somadas com a proposta de ensino da escola, formam uma poderosa combinação para aumentar as chances de sucesso dessa decisão. 

Contudo, mais que matricular o filho, é essencial que os pais acompanhem a trajetória escolar para obter os resultados esperados. Antecipar o ingresso das crianças no ambiente escolar eleva as chances de sucesso, o que não seria possível em ambiente doméstico. Investir na educação é investir no futuro.

Você aprendeu os fatores que determinam o momento certo para oferecer educação escolar. Que tal aprender como escolher a melhor escola para o seu filho?

Post a Comment